quarta-feira, 30 de abril de 2008

Assembléia de Deus Independente de Tubarão (ADI) comemora jubileu de prata neste dia 1º

25 ANOS DE ATIVIDADES DA IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLÉIA DE DEUS INDEPENDENTE FOI LEMBRADA PELOS VEREADORES DE TUBARÃO-SC

(Adaptado do texto original da Igreja Evangélica Assembléia de Deus Independente)
E recebereis poder do Espírito Santo e servireis de testemunha tanto em Jerusalém, como na Judéia, Samaria e até os confins da terra. E perseverando na doutrina dos apóstolos, na comunhão, no partir do pão e nas orações, em cada alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais eram feitos. Todos os que criam, estavam juntos e tinham tudo em comum [...] perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor, à Igreja, aqueles que iam sendo salvos.” (Atos dos Apóstolos).
Com estas palavras, o Pastor Superintendente Natanael Brígido, auxiliado pelo Professor Walmir Damiani Corrêa, começou a contar a história da Igreja Evangélica Assembléia de Deus Independente de Tubarão.

Na oportunidade estiveram acompanhados pelo Pastor Nicodemos Martins de Oliveira - Vice Superintendente; Pastor Carlos Augusto Lopes - Secretário do Presbitério; Presbítero Pedro Moreto De Pieri; Pastor Willy Manoel Brígido; Presbítero José Dias da Lomba e pelo Sr. Rodnei Esmeraldino Correa, um dos fundadores da Igreja Evangélica Assembléia de Deus Independente na nossa cidade.
Segundo ele, por ousadia humana, pode ser dito que esse texto bíblico retrata a história da Igreja ADI, uma vez que respeitando as imitações, sempre procuraram imitar os passos daquela Igreja pura, simpática, liberta de preconceitos, aquela Igreja que Jesus deixou esquematizada, antes de subir aos céus e reencontrar-se com o Pai.

Lembrou emocionado que a ordem dada por Jesus, antes de subir, foi que o Seu Evangelho fosse pregado em todos os confins da terra, a partir de Jerusalém, Judéia, Samaria, e todas aquelas localidades do mundo conhecido da época. A parte que nos coube foi Tubarão e região. Enfatizou que todo o desenvolver da história do Evangelho em Tubarão tem a ver com as famílias que fundaram a Igreja ADI apesar de na época pertencerem à outra denominação.

Nas suas falas aos Vereadores, Walmir Damiani, recordou que o ano era 1983, mês de abril, e a cidade de Tubarão já podia se considerar bem servida de denominações evangélicas. A Assembléia de Deus, por exemplo, já festejava 45 anos de existência. Mas faltava alguma coisa, uma Igreja com uma dinâmica diferente, um modelo de ação que despertasse as pessoas que ainda não haviam sido atraídas pela pregação da Palavra de Deus, e que também desse oportunidade de resgate para pessoas que já haviam se convertido, mas que estavam afastadas, talvez por não aceitarem a imposição de normas rígidas. Disse que entre os fundadores estavam as famílias Osch, Brígido, Batista, Oliveira, Rosa, Cipriano e Souza, dentre outras. Lembrou que a Igreja já nasceu organizada, possuindo um coral sacro, que passou a ter renome no sul do Estado, um coral de jovens, cantores individuais e em duplas.

Com dois anos, houve a necessidade de um templo convencional, um local maior, e a Igreja pôde contar com o coração aberto de D. Anita Genovez Luft, que emprestou um terreno atrás da Milão Motos, hoje Toyota Veículos. Ali a direção viu o crescimento acontecer de forma insustentável. Três reformas de aumento precisaram ser feitas naquele templo mais ou menos improvisado, mas mesmo assim não se conseguia atender à crescente procura de paz e oração, pela comunidade tubaronense.
O templo definitivo se fazia necessário, com um tamanho que viesse a suportar uma presença maior de público. Um terreno enorme foi comprado, no final da Rua São Geraldo, utilizando-se apenas as contribuições dos membros da Igreja, soma elevada que foi levantada em apenas 45 dias.

Atualmente, a Igreja é governada por um Conselho Presbiterial, e por uma Diretoria Executiva tradicional. Conta com os trabalhos de cinco pastores, três presbíteros, cinco missionárias e aproximadamente vinte diáconos. Para que os projetos emanados do Presbitério possam se desenvolver, a Igreja conta com uma série de departamentos executivos, como Assistência Social, Escola Bíblica, Círculo Feminino de Oração, Música e Louvor, Mocidade, Grupos familiares, Grupo de casais, Seminário Teológico, Grupo de universitários evangélicos, Comunicação e Relações Públicas, Missões, Patrimônio, etc.

O grande sonho da Igreja ADI é a compra de um terreno nas vizinhanças de Tubarão, onde possa ser construído um refúgio para lazer, seminários, retiros, festas comunitárias, que pudesse servir às demais entidades evangélicas da região. Além disso, existe um projeto de criação de uma escola evangélica em nível pré-escolar e posteriormente ensino fundamental.

Walmir encerrou sua participação dizendo que foram de fato vinte e cinco anos de lutas e de sucesso e que a ADI continua de braços abertos para novas almas que desejem conviver mais perto do Senhor Jesus, e agasalhar aqueles corações machucados que já pertenceram a Jesus e que estejam em busca de um lugar onde possam voltar a servi-Lo com paz e liberdade.

Fonte: Câmara de Vereadores de Tubarão-SC

quinta-feira, 24 de abril de 2008

Gideões movimentam Camboriú

O 26º Encontro Nacional de Gideões Missionários promete lotar a cidade de Camboriú

Acontece na cidade de Camboriú, a partir deste sábado (19) até o dia 27 deste mês, o 26º Congresso Internacional das Missões. Nessa edição as expectativas aumentam e a comunidade aguarda ansiosa pelo início do evento. Um dos maiores encontros religiosos do mundo atrai em média 150 mil fieis, e esse ano a expectativa é de um aumento de 20%, podendo chegar a 180 mil fiéis vindos de todos os cantos do Brasil e países vizinhos.

Segundo o pastor Reuel Bernardino, vice-presidente dos Gideões Missionários, há 26 anos atrás seu pai Cesino Bernardino, presidente do movimento, teve a idéia de criar uma entidade dentro da Assembléia de Deus, que se chamaria Gideões Missionários da Última Hora. "O primeiro encontro reuniu 700 pessoas e aconteceu na própria Igreja, o segundo foi no pátio e a partir do terceiro já passamos para o ginásio de esportes. Hoje chegamos a mais de 150 mil pessoas admiradoras de nosso trabalho", orgulha-se o vice-presidente.

Esse grande encontro de missionários terá inicio neste sábado, quando o presidente dos Gideões, o pastor Cesino Bernardino, receberá a chave da cidade pelas mãos do prefeito Edson Olegário. No domingo (20) começam oficialmente os cultos no pavilhão que está sendo construído no pátio da Igreja Assembléia de Deus. Até o dia 23 neste local os cultos serão à noite, três telões vão ser montados na rua para quem não conseguiu garantir seu espaço em frente ao palco. A estimativa de fiéis nos primeiros dias chega a 40 mil pessoas. No dia 24 será feita a entrada das bandeiras e a abertura oficial do evento, dessa vez no ginásio de esportes Irineu Bornhausen, a sede oficial que possui condições melhores de suportar as tantas pessoas que estão para chegar. A partir desta data o evento segue no ginásio da cidade até o seu término.

Reuel Bernardino deixa claro o apoio de todos os munícipes, indiferente de sua religião. "Todos nos apóiam, seja evangélico, seja católico. A cidade inteira tem lucro, ganha com isso". Dona Ana, moradora antiga da cidade, é católica e não esconde o quanto fica feliz com a chegada dos Gideões. "Uma maravilha, é muita gente que vem pra festa, as pessoas aproveitam esse momento e a gente aproveita pra ganhar um dinheirinho. Alugamos nossas casas, vendemos nossos produtos", conta a dona da barraquinha de caldo de cana.

Economicamente, Camboriú ganha muito com todo esse rebuliço e para atender ao grande número de visitantes e disponibilizar opção, os terrenos desocupados que cercam o centro da cidade já estão sendo transformados em pequenos camelódromos, onde serão vendidos doces, salgados, DVDs, roupas, CDs e muito mais. Para quem quiser visitar, fica o convite do pastor Reuel, o evento é gratuito, com cultos das 8 horas da manhã até às 23 horas. Toda recepção é feita pelos gideões missionários, que estarão em pontos estratégicos dando toda assistência necessária. A Polícia Militar fechará as ruas que cercam os locais, controlando o trânsito que promete ser intenso. O evento encerra no dia 28 com um grande culto de ação de graças. (Graciele Galera, especial para a Tribuna)


Prefeitura melhora a infra-estrutura

A Prefeitura de Camboriú está despreocupada quanto a possíveis problemas decorrentes do aumento considerável no fluxo de pessoas nos próximos dias. Segundo a diretora da Vigilância Epidemiológica, Fabíola Rigo da Cruz, não ouve sequer um foco de dengue até agora. O sucesso dessa questão deve-se as 286 armadilhas colocadas por toda a cidade. São armadilhas feitas com pedaços de pneus onde propositalmente é deixada água parada. Toda segunda-feira essas mostras são recolhidas e analisadas. "Por essas armadilhas podemos comprovar que não temos nenhum um foco positivo do mosquito da dengue", explica Fabíola. Sobre a chegada das caravanas, ela diz que a Prefeitura está preparada: "Estamos despreocupados caso chegue algum doente nessas caravanas. Para que haja uma epidemia precisamos de um mosquito aqui e de alguém doente. Como nós não temos um mosquito, estamos tranqüilos, se chegar algum doente vamos dar todo atendimento necessário, para que ela possa voltar para sua área de origem sem problema nenhum".

Alguns procedimentos de segurança que são tomados todos os anos serão repetidos nos próximos dias. "Durante todo evento haverá barreiras sanitárias, todos os ônibus e vans serão dedetizados, para assim evitar que o mosquito venha de carona em algum porta-malas" finaliza Fabíola. Nos banheiros públicos, da mesma forma, haverá dedetização todos os dias.

Retirado de: Tribuna Catarinense

terça-feira, 22 de abril de 2008

Em uma mão arma, na outra a Bíblia

PMs de Cristo’ utilizam valores cristãos como instrumento para evitar que policiais se envolvam em casos de violência.

Calada da noite, algum canto escuro da cidade. Armas em punho, frente à frente com o crime, haja sangue frio numa hora dessas! No dia-a-dia dos policiais militares (PMs) que trabalham nos grandes centros urbanos brasileiros, situações extremas são para lá de comuns. Não raro, esses profissionais se vêem obrigados a recorrer à força para fugir do perigo.

A grande questão que a maioria das pessoas costuma colocar é a seguinte: até que ponto um ato de violência praticado por um policial pode ser considerado legítimo? Esta é uma pergunta que atormenta até mesmo os membros mais convictos da corporação militar.

Foi para ter um momento diário de reflexão que um grupo de PMs evangélicos da Capital resolveu se unir no início da década de 90. “Percebíamos que havia um grande número de policiais cristãos espalhados pelas diversas unidades da Corporação”, explica o major Alexandre Marcondes Terra, 45 anos, que atualmente ocupa o cargo de assistente policial militar da Coordenadoria Estadual dos Conselhos Comunitários de Segurança (Consegs).

No princípio eles eram em 40, apenas, e assumiram a árdua tarefa de reforçar os laços entre os cerca de 9 mil evangélicos que integravam a corporação na época. Surgia, assim, a Associação dos Policiais Militares Evangélicos do Estado de São Paulo, também conhecida como “PMs de Cristo”.

O trabalho era (e ainda é) bastante simples. Consiste, basicamente, em visitas diárias a quartéis, bases e batalhões, com duração de aproximadamente 15 minutos. Nesses encontros, integrantes da entidade fazem orações e realizam pequenas preleções sobre textos bíblicos e a doutrina cristã.

“No começo era meio difícil, pois algumas pessoas achavam que estávamos tentando fundar uma nova igreja dentro da corporação. Só com o passar do tempo é que elas foram perceber que o nosso trabalho não estava ligado à religião alguma e visava apenas promover os valores dos Evangelhos entre os colegas de trabalho”, explica Terra, que participou da fundação dos “PMs de Cristo”. Atualmente ele é vice-presidente da entidade.

Nas reuniões da associação é possível se deparar com adeptos de diferentes denominações religiosas. Há duas semanas, por exemplo, a reportagem do Jornal da Cidade teve a oportunidade de acompanhar um encontro ocorrido na sede do 4.º Batalhão da PM do Interior (4.º BPMI).

Católicos, evangélicos e espíritas (cerca de dez pessoas, no total) acompanhavam atentamente a policial aposentada Maria Aparecida Zani Scarpelli discorrer sobre o Salmo 23 (ou 22, dependendo da Bíblia).

“Ainda que eu ande pelo vale da sombras da morte, não temerei mal algum, porque Tu estás comigo”, diz o texto. Mas será que qualquer trecho das Escrituras pode ter aplicação prática na vida dos PMs? Na opinião de Zani, sim.

“O ‘vale da sombra da morte’ é uma situação em que estamos passando por uma dificuldade extrema (um câncer em estágio terminal, por exemplo) e o Senhor envia alguém para nos auxiliar”, explica ela. Evangélica, natural de São Paulo, ela conta que, no início dos anos 90, fez um voto a Deus. “Prometi que, assim que me aposentasse, iria me dedicar exclusivamente a Ele.”

O trabalho com os “PMs de Cristo” teve início em 1999 e precisou ser interrompido há cerca de dois anos. “Eu estava com problema de doença na família e tive de dar uma parada, mas agora estou retomando as atividades”, diz ela. A partir de agora, Zani pretende voltar a realizar as visitas regulares (uma por semana, pelo menos) a bases e quartéis da corporação em Bauru. No passado, os “PMs de Cristo” conseguiram reunir cerca de 80 pessoas, entre policiais e familiares, em cultos realizados em templos evangélicos da cidade.

Notícia retirada de www.jcnet.com.br

Tá ai um ótimo exemplo de conduta e de trabalho de evangelização. Nota 10 paras os PMs de Cristo, o famoso jargão de Tropa de Elite agora ganha mais uma opção... "Ou se omite, ou se corronpe, ou vai pra guerra, ou então aceita a Jesus!"
Mais informações sobre o grupo em http://www.pmsdecristo.org.br/
Boa semana a todos e que o senhor Jesus Cristo esteja conosco!

Wesley Souza Medeiros