quarta-feira, 18 de junho de 2008

Sessão da AL debate criminalização da homofobia

A Assembléia Legislativa discutirá hoje, 18, as conseqüências para liberdade de expressão religiosa caso Projeto de Lei que trata da criminalização da homofobia seja aprovado no Congresso Nacional, a Sessão terá a participação do senador Magno Malta, e foi proposta pelo deputado Nivaldo Manoel, do segmento evangélico.

Chamada de lei da Mordaça, por seguimentos religiosos, o Projeto de Lei Complementar 122/2006, que tramita no Senado, têm preocupado a liderança religiosa do Brasil, segundo Nivaldo Manoel.

Os evangélicos acreditam, que se aprovado com o texto original a lei limitará a pregação religiosa no país, fechando templos e levará à cadeia pregadores católicos, evangélicos e de outras religiões que tenham como princípio o relacionamento hétero sexual e desaprovem a prática homossexual.

Em texto distribuído com a imprensa, setores evangélicos apontam que “os questionamentos ao PLC 122/06 está a interpretação de que o artigo 1º pode descriminalizar a pedofilia no Brasil, o texto do projeto ainda pode levar religiosos a prisão de 2 à 5 anos se em pregações citar, por exemplo, versículos bíblicos que condenam a prática homossexual e com isso leve um ouvinte a se sentir constrangido, mesmo que seja em um templo religioso”.

A nota informa que “além da detenção do pregador o Projeto de Lei prevê o fechamento da igreja ou qualquer estabelecimento onde esteja sendo colocado opiniões contrárias a prática de relacionamentos sexuais de quaisquer natureza, onde qualquer individuo sinta-se constrangido ou ofendido, o projeto ainda pode prejudicar radialistas e jornalistas que se opuserem e manifestem suas opiniões em veículos de comunicação quanto à relacionamentos sexuais, por fim é questionado a livre reprodução e venda de bíblias no Brasil já que ela condena a prática de diversos relacionamentos sexuais como o adultério, a fornicação e o homossexualismo”.

De proposítura do deputado estadual Nivaldo Manoel (PPS), a sessão terá início às 19:00h na Assembléia Legislativa e contará com a participação do senador Magno Malta, do professor universitário da Fundação Getulio Vargas e consultor jurídico Zenóbio Fonseca, representantes da igreja católica, da Ordem dos Ministros Evangélicos do Brasil(OMEB), da Associação de Pastores Evangélicos da Paraíba (APEP), da Visão Nacional para Consciência Cristã (VINACC) entre outros.

Para Nivaldo é necessário ouvir o contraponto deste projeto para que ele não venha prejudicar a população brasileira, “é condenável à violência contra o ser humano, mas, não podemos privilegiar seguimentos da sociedade prejudicando uma outra grande parte do povo brasileiro, é importante que se punam aqueles que agridem os homossexuais, porém não podemos concordar com uma lei que impedirá a pregação bíblica e a liberdade de opinião no Brasil” afirmou.

Fonte: Paraíba.com.br

Você está pronto para ser perseguido por ativistas gays?

Você está pronto? Você está em oração? Você já determinou que não importa quais leis sejam aprovadas, você permanecerá fiel à eterna Palavra de Deus? Você já decidiu que não ficará em silêncio não importa quais sejam as penalidades? Você já instruiu sua igreja acerca das ameaças sobre nós? Você está pronto?

Com a aprovação de uma lei no Colorado, de uma declaração formal do governo brasileiro e de uma decisão legal punitiva do governo canadense contra um pastor, os homossexuais começaram o trabalho de silenciar a última oposição sólida ao estilo de vida . Eu quero dizer nós, a igreja.

Com a assistência do movimento cristão gay enfraquecendo as defesas internas da igreja e o atual clima espiritual de ganância (também conhecida pelo nome de “prosperidade”) e excessos na igreja, o movimento político gay avançou as pressões externas para silenciar todas as vozes que proclamam o homossexualismo como algo que não seja bom, moral e superior — publicamente. Sua alternativa é ficar de boca fechada ou dizer em segredo.

Você está pronto para fazer o que Daniel fez quando foi ameaçado pelo sistema legal babilônico? Você está preparado para fazer o que João, Pedro e os outros discípulos fizeram quando os magistrados religiosos bateram neles e lhes ordenaram que não falassem mais em Jesus? Você está pronto?

De acordo com WorldNetDaily:

A lei [do Colorado] fornece uma isenção que permite que os grupos religiosos continuem ensinando, dentro de suas portas, a condenação bíblica do homossexualismo. Mas a própria isenção será prejudicial à igreja no final de tudo, argumenta Hausknecht.

“[A isenção] tende a marginalizar a igreja”, disse ele. “Eles dirão: ‘É só uma igreja’. “[A isenção] permitirá que os ativistas gays continuem a marginalizar os cristãos. Eles dirão: ‘Mantenham seus ensinos dentro de suas quatro paredes. Só isso’.”


A igreja está para ser isolada num gueto, tal como foram os judeus de Varsóvia durante o governo de Hitler. A intenção do inimigo é nos encurralar nas nossas igrejas, trancar as portas com cadeado e tornar crime o ato de falarmos “assim diz o Senhor”. Você está preparado para perder seu emprego, ser forçado a abandonar sua casa e até perder a guarda de seus filhos por se recusar a se prostrar diante do altar da aceitação homossexual? Não há como ficar neutro. Eles não deixarão você ficar neutro. Ou escolhemos agora tomar uma posição e ser contados com os profetas que quando se defrontavam com as tramas do diabo permaneciam firmes ou então desapareceremos em humilhante esquecimento.

No Brasil o governo anunciou um plano para limpar o Brasil de toda “homofobia”. O blogueiro Julio Severo, que publica o blog Last Days Watchman, tem testemunhado esse ataque forte liderado pelo governo em recentes anos. Esse ataque culminou na conferência onde participaram representantes de 14 nações estrangeiras.

Acompanhado de seis ministros, ele pediu para que todos os preconceituosos “arejem a cabeça e despoluam-na”. Ele surpreendeu ao manifestar apoio total ao movimento homossexual e dizendo “que fará o possível para que a criminalização da homofobia e a união civil sejam aprovadas”.

Ele defendeu o fim de toda a oposição ao comportamento homossexual e afirmou que a permanência da discriminação sexual “talvez seja a doença mais perversa impregnada na cabeça do ser humano”.


Não tenha a menor dúvida de que o movimento homossexual político dos EUA está envolvido nessa situação, tendo exportado — para países em que os governos estão seduzidos pelo dinheiro deles — seu ódio aos que criticam sua abominação pecaminosa. Você está pronto para ver sua igreja monitorada por ativistas homossexuais secretos? Você está preparado para ver homossexuais fazendo seu emprego de alvo a fim de testar se você aceita ou não o pecado deles? O que você fará quando entrarem com milionárias ações legais contra você? Caso você não tenha ainda percebido, estamos em guerra.

Ao norte, o governo canadense declarou enfaticamente que os que criticam o homossexualismo enfrentarão a lei e serão punidos. Em 30 de maio de 2008, o Pr. Stephen Boissoin foi proibido de expressar sua perspectiva bíblica acerca do homossexualismo e recebeu ordem de pagar 5 mil dólares por “danos envolvendo dor e sofrimento” bem como pedir perdão aos ativistas que se queixaram de que se sentiram magoados. O tribunal disse:

“O Sr. Boissoin e a Coalizão de Cristãos Preocupados cessarão de publicar em jornais, por email, em rádio, em discursos públicos ou na internet comentários depreciativos sobre gays e homossexuais. Além do mais, daqui em diante eles estão proibidos de fazer comentários depreciativos sobre… Lund ou… as testemunhas de Lund em relação ao envolvimento deles na queixa. Além do mais, ordena-se que todos os comentários depreciativos contra os homossexuais sejam removidos dos atuais sites e publicações do Sr. Boissoin e a Coalizão de Cristãos Preocupados…”

Essa não é uma luta para se ganhar com armas carnais. As armas de nossa guerra não são carnais, mas poderosas em Deus para a demolição de fortalezas. Pegue as suas armas e prepare-se.

(Fontes:
GCM Watch, www.juliosevero.com)

Multidão raivosa destrói casa de missionário

ÍNDIA - Marala ouviu os gritos bravos de fanáticos anticristãos se aproximando da casa dela. Rapidamente juntou os filhos pequenos na casa de um vizinho que não menosprezava a família dela pela devoção a Deus. E se refugiou na casa de outra cristã enquanto a casa dela era destruída, à noite.

Quando o marido de Marala, Maulik Sadar, voltou da reunião mensal da Gospel for Ásia (GFA) no escritório de Orissa, ele viu a casa que ele havia construído com suas próprias mãos sob ruínas fumegantes. Todos os seus pertences estavam espalhados ao longo da aldeia. Foi então que Maulik, um missionário da GFA, soube o motivo por trás da raiva dos extremistas.

Dias antes do ataque, uma eleição havia acontecido para determinar o líder da aldeia. Todos os aldeões fizeram campanha para um homem dedicado firmemente à religião deles e claramente contra o cristianismo. Mas Maulik e a família dele não apoiaram o candidato que se opunha a Jesus Cristo.

Os aldeões advertiram Maulik das conseqüências que ele enfrentaria se não votasse no candidato deles, mas Malik não se sujeitou à ameaça. À noite, quando que eles descobriram o voto de Maulik, decidiram destruir a casa dele e tudo o que estava dentro.

Resistência diminuiu

Porém, a ação deles não foi o bastante para forçar Maulik e sua família a deixarem a aldeia. Apesar da oposição forte, eles continuaram tratando os aldeões com o amor de Cristo. Agora, Maulik auxilia 65 cristãos na igreja dele em Orissa. O fanáticos diminuíram a resistência deles e a congregação planeja construir um lugar temporário para cultos.

Maulik pede orações para a construção da igreja, para que Deus providencie toda a madeira necessária e outros materiais a fim de iniciar a construção o mais cedo possível. Ele também pede orações pela proteção da família dele e para que Deus continue usando-o cada vez mais para a expansão do Reino de Deus.

Fonte: Missão Portas Abertas
www.portasabertas.org.br

Maçonaria ajudava máfia italiana a atrasar julgamentos

Oito pessoas, entre elas vários membros da Maçonaria, foram presas nesta terça-feira na Itália por terem ajudado chefes da máfia a atrasar seus julgamentos, anunciou o promotor de Palermo durante uma coletiva de imprensa em Roma.

A máfia, através de subornos, convenceu vários membros da maçonaria a recorrer a suas redes de influência para ajudar que líderes mafiosos de Trapani (oeste da Sicília) e de Agrigente (sul) tivessem seus julgamentos adiados até que os crimes fossem prescritos, explicou o promotor Messineo.

"Trata-se de uma rede muito complexa que interferia nos julgamentos graças a contatos bem situados", comentou.

"Chegavam, inclusive, a traficar o calendário das audiências", esclareceu o vice-promotor Roberto Scarpinato.

O líder dessa rede seria Rodolfo Grancini, de 68 anos, que o promotor descreve como um "trapaceiro com um círculo de amizades de alto nível".

Além dos maçons, que não sabe ao certo o número, uma policial da Direção contra criminalidade do ministério de Interior, um funcionário da Corte de Cassação, vários empresários e um ginecologista de Palermo, já condenado por abuso sexual a uma menor, estão entre os detidos.

Eles serão acusados de associação mafiosa, corrupção, mau uso de dinheiro público, acesso ilegal ao sistema digital da justiça e de violação do segredo de instrução.

Também foi notificado um sacerdote jesuíta que mora em Roma e está relacionado com um dos empresários detidos, assinala a imprensa local.

O grão-mestre da 'Sereníssima Grande Loja Unidade da Itália', Stefano De Carolis, também está sendo processado nesse caso, segundo a mesma fonte.

A investigação foi batizada "Hiram" e foi iniciada em 2006, através de escutas telefônicas realizadas para outro caso relacionado com a máfia. Ela foi centrada nas famílias mafiosas de Mazara del Vallo e de Castelvetrano, na região de Trapani, "terra da máfia e da maçonaria", segundo o promotor.