terça-feira, 24 de junho de 2008

Jogador do Santos cita a Bíblia acreditando na recuperação do time

Fabão revela que sente vontade de chorar com a má fase do Peixe. Experiente zagueiro afirma que tem evitado até buscar sua filha na escola só para não ter de encontrar torcedores na rua.


(Fonte: Globo Esporte) - A situação do Santos no Brasileirão é tão ruim que o zagueiro Fabão chega a sentir vontade de chorar. O experiente jogador admite que está ruim até para ir buscar sua filha na escola. A cobrança por resultados é tamanha que ele evita sair na rua para não ter de ser confrontado por torcedores.

- Nunca passei por isso. Chego em casa, boto a cabeça no travesseiro e quero chorar. O Santos é muito grande, gente! Não pode estar nessa situação - desabafa o zagueiro.

O zagueiro revela que o clima entre os jogadores também é péssimo. Todos estão cabisbaixos com o fato de o time ter vencido apenas uma das sete partidas que disputou. Com cinco pontos, o Alvinegro é o penúltimo colocado.

- Todos aqui estão muito tristes - comenta.

Frade metaleiro participa de festival de música na Itália

Um frade italiano que criou uma banda de heavy metal será uma das atrações de um festival de música ao lado de bandas consagradas como Iron Maiden e Judas Priest.

Aos 62 anos, Cesare Binozzi, um frade franciscano da ordem religiosa dos capuchinhos, tem uma banda chamada Irmão Metal, que já gravou 15 discos de forma independente, com músicas que falam de temas religiosos.

Este ano o grupo participa do principal festival de música heavy metal da Itália, o "Gods of Metal", no próximo fim de semana, na cidade de Bolonha.

A banda pisará no palco no domingo cantando músicas do seu último disco, "Mistérios". A noite será fechada por um show do Judas Priest.

Segundo os organizadores, o festival deverá atrair um público de cerca de 100 mil pessoas.


Valores

“Não uso a música para ganhar dinheiro, mas para difundir os valores ligados à Igreja. Se a linguagem é dura, é somente porque assim é a realidade”, afirmou o frade ao jornal Corriere della Sera.

A intenção do frade é transmitir aos jovens os ensinamentos do Evangelho de um jeito diferente do que é pregado na igreja.

“O heavy metal é energia pura, intensa e tem sua beleza, além de conteúdo, porque faço música com letras que ajudam a entender coisas importantes a nível de fé e de vida”, disse o religioso à BBC Brasil.

“Os jovens não são bobos ou estúpidos. Entendem que o que digo tem sentido e valor.”

Binozzi conta que ele mesmo escreve as letras das canções - que falam de droga, família, amor e fé - enquanto os outros três componentes da banda, o guitarrista, o baixista e o baterista, fazem a música.

“As letras são boas porque falam de coisas da vida, como o álcool, sexo, a vida em geral, temas normais. Se você ouve o disco sem entender as palavras, parece uma música heavy metal como as outras”, disse o baterista, Andrea Zingro, à BBC Brasil.

Segundo o músico, é mais divertido tocar com o frade do que com outros cantores.

“Não acho estranho. É uma pessoa como as outras, e tem experiência em muitas coisas. Nos divertimos muito mais com ele do que com outros cantores”, disse Zingro.

Símbolo de amor

Frade Cesare diz que gosta de todo tipo de música, mas tem preferência pela metaleira, ainda que o gênero esteja muito distante do que tradicionalmente se ouve nas igrejas.

Ele diz que o heavy metal, ao contrário do que muitos dizem, não tem ligações com ritos satânicos e cultos ao diabo.

“O heavy metal é o oposto do satanismo. Há dois ou três grupos que se dizem satânicos, mas são poucos em milhares que nada têm a ver com o demônio.

“Conheço o guitarrista do Metallica. Ele faz meia hora de oração antes de ir ao palco. No fundo é música boa e vontade de socializar”, afirmou o frade.

Nem mesmo o gesto típico dos metaleiros, com os dedos mindinho, indicador e polegar apontados tem simbologia negativa, segundo ele.

“É um símbolo do amor, quer dizer eu te amo”, interpretou.

Cesare Bonizzi trabalhou como operário e comerciante antes de entrar para o convento Musocco, nos arredores de Milão.

Ele foi ordenado sacerdote em 1983 e iniciou sua atividade pastoral trabalhando com grupos de motoristas de bonde e metrô da cidade. Foi neste ambiente que começou a compor suas primeiras canções, como "A dança do bonde".

O público que freqüenta os shows de heavy metal não vê o frade com desconfiança, garantem os músicos.

“Os jovens gostam dele”, disse o baterista.

“Às vezes tem alguém que se incomoda, não porque seja contra mim pessoalmente, mas porque não deve gostar de padres. O que posso fazer? Em geral o relacionamento é muito bom”, afirmou o religioso.

O Vaticano, que defende liturgias tradicionais, ainda não se pronunciou sobre o caso do frade metaleiro.

Fonte: BBC Brasil

Mais um caso: Ceará: Padre estaria trocando dinheiro por sexo

Um escândalo envolvendo o padre José Ramos de Araújo, pároco da igreja de Nossa Senhora Aparecida, no bairro João Cabral, em Juazeiro do Norte, abala a igreja católica no interior do Ceará. O padre denunciou à polícia que estava sendo vítima de extorsão.

A polícia já prendeu duas pessoas que negam a versão do padre. José Erasmo Ferreira, 27 anos, foi preso no momento que tentava receber 3 mil reais, na igreja onde padre Ramos trabalhava. Na versão de Erasmo, ele e seus amigos praticavam sexo com o padre em troca de dinheiro.

O outro acusado preso, Emerson Jorge, 23 anos, é casado e também afirma ter mantido relação sexual com o padre várias vezes por dinheiro. Ele negou está extorquindo o padre.

Bispo expulsa de igreja repórter que denunciou padre com filho

O bispo da cidade italiana de Pádua, Antonio Mattiazzo, expulsou neste domingo de uma igreja de sua diocese o jornalista Gianni Biasetto, que revelou o caso de um padre que teve um filho com uma moradora da localidade.

O fato, segundo a imprensa local, ocorreu em Monterosso de Abano, no norte da Itália, na paróquia de São Bartolomeu, que estava sendo visitada pelo bispo e da qual Sante Squotti foi pároco até largar a batina por ter se apaixonado por uma mulher e tido um filho com ela.

O caso de Squotti foi revelado por Biasetto no jornal "Mattino di Padova".

Biasetto estava hoje na igreja, junto com vários fiéis, quando o bispo, em voz alta, perguntou se entre os presentes estava o jornalista.

Biassetto disse que quando o bispo o identificou, aproximou-se dele, agarrou-o pelo braço e jogou-o na rua, dizendo: "Você não pode estar aqui. Aqui mando eu. Agora, saia. Este não é um lugar público".

O repórter afirmou que se sentiu humilhado e que o bispo agiu assim por ele ter sido o primeiro a revelar o caso do padre incasto e apaixonado.

"Minha única culpa, se a tenho, é ter feito meu trabalho e escrito a verdade", acrescentou o jornalista.

Até o momento, o bispo não fez nenhum comentário sobre o caso.

Fonte: Folha Online

EUA: pastor-caminhoneiro leva capela em carreta

Há quase duas décadas, duas vezes por semana, ele arrasta uma capela no reboque de seu caminhão de 18 rodas até esta movimentada parada de caminhoneiros na Pensilvânia, na entrada da rodovia interestadual 70.

Para a maior parte das pessoas, esse lugar entre Pittsburgh e Harrisburg é literalmente o meio do nada. Representa um tanque de gasolina, um banheiro, uma parada para o café. Mas para Rust, o terreno cheirando a diesel diante do posto All-American Petro é a paróquia ideal para pregar às massas viajantes sobre o sentido da vida.

"Todo mundo aqui tem seguro para seus carros", diz. "Eu quero vender um seguro para suas almas."

Um homem grandalhão, de sorriso fácil e passo lento, Rust (foto), 39 anos, começou a pregar de seu caminhão em 1991. Ele estava seguindo as pegadas de seu pai, Sam, 74 anos, que também tinha um caminhão convertido em capela e desde 1978 viajava pela costa leste dos Estados Unidos pregando aos motoristas (aliás, continua a fazê-lo em pelo menos duas viagens por ano).

Eles são parte da crescente presença religiosa nos postos de parada de caminhões e áreas de repouso de todo o país. No ano passado, 230 paradas de caminhoneiros e áreas de repouso nos Estados Unidos reportavam dispor de capelas, fixas ou sobre rodas, ante cerca de 120 em 2000, de acordo com um guia nacional do setor de transporte rodoviário.

A estrada aberta é um dos poucos lugares em que as pessoas refletem, hoje em dia, e mais gente tem aparecido em seu caminhão-capela trazendo o coração pesado de preocupação, disse Rust.


As necessidades

Perturbadas pela crise das hipotecas, assustadas com o preço do combustível e incertas quanto à guerra, a economia e a eleição deste ano, as pessoas parecem ansiosas e demonstram estar em busca de um senso de segurança, ele afirma.

"É a solidão e a preocupação que sentem", disse, acrescentando que os caminhoneiros, e especialmente os motoristas independentes que precisam bancar suas próprias despesas, são aqueles que enfrentam as maiores dificuldades.

Quando seus celulares quebram o silêncio solitário das longas viagens, em geral são reclamações de suas mulheres, deixadas sozinhas em casa com eletrodomésticos quebrados, filhos bagunceiros ou outros problemas que os motoristas pouco podem fazer para resolver, de tão longe, diz Rust.


Orações

"Eles costumavam me pedir que orasse pela segurança de suas famílias em sua ausência", disse Rust, membro da Assembléia de Deus. "Agora, querem que eu ore também por seus casamentos, suas casas e seus empregos."

Os quatro-rodas, gíria dos caminhoneiros para quem percorre as estradas em veículos que não caminhões, também procuram Rust com suas preocupações.


Ajudando a todos

Recentemente, um antigo viciado que acabara de sair da prisão depois de servir uma sentença de dois anos por posse de metanfetamina sentiu que não estava conseguindo resistir à tentação, e procurou o pastor em busca de ajuda. Rust segurou sua mão e se ajoelhou com ele ao lado da bomba de gasolina, para pedir a Deus que lhes desse persistência.

Antes disso, houve uma jovem prostituta que alguém havia deixado na parada de caminhões. Rust encontrou um lugar onde ela podia dormir em segurança. Na semana passada, uma mulher da Califórnia que vive em seu Ford Taurus enferrujado viajando pelas estradas do país precisava ser convencida de que Deus não a estava punindo por uma vida sem raízes, conta Rust.

"Eu ouço muito mais do que falo, hoje em dia, porque as pessoas que encontro nas estradas têm muito a descarregar", disse.


As origens

Quando era jovem, ele passou muitas noites de verão e muitos finais de semana na capela montada na traseira do caminhão de seu pai, em viagens familiares pelo país. Ele descobriu sua vocação religiosa certo verão, em umas parada de caminhões na rodovia interestadual 20, perto de Big Spring, Texas, depois que seu pai encostou o caminhão no acostamento para inspecionar o que parecia ser um pneu furado.

Um homem se aproximou deles chorando e contou sobre seus problemas conjugais e sua batalha contra a vontade de se suicidar. A família orou com ele, e quando se levantou o homem parecia calmo de uma maneira que Rust afirma jamais ter visto. Quando o pai de Rust enfim foi consertar o pneu, descobriu que não estava furado. "Deus realmente sabe como marcar um encontro", disse Rust.


Os desafios

Mas nem todo mundo parece convencido. "Se o reverendo conseguisse ajudar com aquilo, eu poderia começar a acreditar em Deus", disse Cory Lewis, um caminhoneiro independente de Morgantown, Virgínia Ocidental, apontando para a bomba de gasolina.

Lewis diz que hoje ele gasta US$ 2,5 mil por semana para manter seu caminhão na estrada, ante US$ 500 dois anos atrás. Rust diz ter percebido mudanças sutis entre os caminhoneiros e os motoristas, recentemente.

Menos caminhoneiros fazem brincadeiras de mau gosto quando ele ora por eles usando o rádio do caminhão, conta Rust, cuja organização, chamada "Headlight in Trucking", sobrevive com US$ 90 mil em doações anuais obtidas junto a igrejas de todo o país.

"Os problemas estavam por vir há algum tempo", disse Rust, em referência à situação difícil que o país vive.

Ele observou silenciosamente o sinal que colocou ao lado da entrada da capela depois dos ataques de 11 de setembro. O cartaz que antes dizia "bem-vindo a bordo" hoje traz uma paráfrase da Bíblia: "América, saiba disso: Quando o fim estiver por chegar, momentos perigosos surgirão. Você está preparada?"