sexta-feira, 11 de julho de 2008

Mãe vende filha recém-nascida por R$ 15 para comprar crack no RS

Criança de um mês está no Conselho Tutelar aguardando vaga em um abrigo. Polícia procura a mulher, mas ainda não há pistas.

Uma mulher vendeu a filha recém-nascida por R$ 15 para comprar crack, em Porto Alegre. A denúncia chegou ao Conselho Tutelar no final da tarde desta quinta-feira (10).

De acordo com o conselho, uma moradora da periferia da cidade ofereceu a filha de um mês de idade para traficantes em troca de R$ 5 em crack. Ao tomar conhecimento da situação, outra mulher ofereceu R$ 15 à mãe da criança para evitar que o bebê fosse parar nas mãos de traficantes.
A criança está no Conselho Tutelar aguardando vaga em um abrigo. A mulher que vendeu a filha é procurada pela polícia, mas ainda não há pistas.

Retirado de: G1

Editoras de Bíblias são processadas por homossexual

EUA - Um cidadão do Michigan, EUA, está pedindo 70 milhões de dólares a duas editoras de Bíblias por transtornos emocionais e instabilidade mental que foi submetido nos últimos 20 anos devido a versões da Bíblia que indicam o homossexualismo como pecado.


Segundo o USA Today, Bradley LaShawn Fowler, um homossexual, alega que os seus direitos constitucionais foram violados pela Zondervan Publishing Co. e a Thomas Nelson Publishing, por terem causado dano deliberadamente aos homossexuais devido a interpretações "errôneas" da Bíblia.

Fowler indica que as mudanças feitas deliberadamente em I Coríntios 6:9 levaram a que ele "ou qualquer pessoa homossexual a ser sofrer agressões verbais, discriminação, situações de ódio e violência física... incluindo assassinato".

Segundo Fowler, embora a Bíblia seja passível de múltiplas traduções, a utilização específica da palavra "homossexual" não é uma tradução mas sim uma mudança intencional refletindo uma opinião pessoal ou a conclusão de um grupo.

(Fonte: Portugal Gay)

Pastor se disfarça de mendigo para dar lição a fiéis

Um pastor se vestiu como um mendigo e invadiu o culto de sua paróquia, no País de Gales, numa tentativa de dar uma lição sobre "tolerância" aos fiéis.

(Fonte: BBC Brasil) - O reverendo Derek Rigby, da Igreja Metodista Trinity, na cidade de Prestatyn, colocou uma peruca, roupas sujas, não se barbeou por três dias e desenhou algumas tatuagens pelo corpo antes de entrar na igreja com latas de cervejas e seringas.

Rigby, um ex-policial, havia avisado aos fiéis que chegaria atrasado para a cerimônia e contou o plano apenas a um dos funcionários da paróquia, para que ele pudesse interceder caso a congregação resolvesse chamar a polícia.

O pastor contou que foi ignorado pela maioria dos fiéis, enquanto alguns pediram que ele se retirasse do lugar.

Rigby permaneceu disfarçado até as crianças irem para a escola dominical antes de andar até o altar e mostrar sua identidade aos fiéis, que se sentiram "envergonhados".

"Ninguém ficou irritado comigo, mas ficaram chocados por terem me ignorado da forma como fizeram", afirmou. "Eles podiam ter me dado um copo de café."

Lição

Segundo Rigby, sua intenção era "transmitir uma mensagem séria sobre tolerância, de uma forma emotiva".

Durante o sermão proferido após revelar sua identidade, o pastor citou o exemplo dos discípulos que não reconheceram Jesus na estrada para Emaús depois da ressurreição.

"Eu fiquei surpreso, não desapontado. Algumas pessoas me disseram que se eu estivesse ali, como pastor, saberia o que fazer para lidar com a situação", afirmou o sacerdote.

O reverendo Derek Rigby conta ainda que já havia feito a mesma coisa em paróquias de Newport e Londres, onde, segundo ele, os fiéis foram mais generosos.

"Eu disse à eles que eram mesquinhos porque em outros casos já ganhei dinheiro, um pacote de bolachas e um cobertor. Em Prestatyn, eu não ganhei nada", conta.

"No entanto, acho que isso não irá acontecer novamente", finalizou o sacerdote.

Senador Magno Malta fala sobre a PL122/2006

Senador Magno Malta, explicando um pouco sobre as consequencias da PL122/2006 se ela for aprovada.