terça-feira, 12 de agosto de 2008

Filme evangélico "Desafiando Gigantes" inspirou Tiago Camilo para o bronze

Um filme motivacional inspirou o judoca Tiago Camilo na conquista de sua segunda medalha olímpica. Em Sydney-2000, ele foi prata; desta vez, bronze, derrotando na última luta o holandês Guillaume Elmont, na categoria meio-médio. "Desafiando gigantes" (Facing the giants), uma produção americana de 2006, é um dos DVDs favoritos de atletas de alto nível, como Tiago. O filme conta a história de um time pequeno de futebol americano que consegue uma vitória surpreendente nos últimos segundos, graças à fé do pai do jogador que faz o ponto decisivo. De filosofia evangélica, o filme custou apenas US$ 100 mil e já arrecadou mais de US$ 10 milhões nos EUA desde o lançamento.

Com a fala entrecortada pelo choro, Tiago Camilo (foto) citou uma parábola do filme para ilustrar o que chamou de "uma vitória do Senhor": a história de dois fazendeiros que oraram por chuva. Um deles preparou o campo para receber a chuva, o outro não. "Eu encarava a competição assim", disse Tiago.

Tiago, dava pra ter chegado ao ouro?
(Pausa de cinco segundos) Hoje, aqui... (pausa de 15 segundos) tinha duas pessoas que… eram dois fazendeiros. E os dois oraram pra que a chuva caísse em seus campos. E somente um foi ao campo preparar o campo pra receber a chuva que vinha de Deus. E hoje, eu aqui, eu preparei o campo pra receber a vitória. Esse bronze, pra mim, valeu ouro. É a vitória do Senhor. Acho que foi uma competição muito difícil pra mim. Porque eu tinha o objetivo de vir aqui buscar o ouro. E foi muito difícil me motivar novamente, eu entrar na competição novamente. Mas tô muito feliz de ter conquistado mais uma medalha olímpica, que todos que estão aí em cima merecem a medalha e a medalha é de uma cor só. Obrigado.

Você está triste?
Não tenho por que estar triste. Tantas pessoas no Brasil que me apoiaram, que me ajudaram. E coloquei todo mundo, todo o povo brasileiro no meu coração. Hoje... no momento em que eu tive mais dificuldade... eu pensei em todo o povo brasileiro... que o Brasil tá colado na televisão me vendo lutar aqui... são 180 milhões de pessoas querendo estar aqui no meu lugar e eu estava aqui. Eu não podia desperdiçar... essa chance mais uma vez... Eu dei o meu máximo. Dei o meu máximo.

Depois da cerimônia de medalhas, mais calmo, Tiago falou no celular com o irmão, Chicão, e continuou a responder as perguntas dos jornalistas:

"É isso aí, Chicão? É isso aí, cara... Feliz pra c. Muito feliz. Fala, Chicão, pode falar. Valeu, Chicão. Um beijo aí... Manda um beijo pra mãe, pro pai, pra Alessandra, pra todo mundo. Amo todo mundo. O Rafa... cadê o Rafão, o Rafão tá bem? Ah, manda um beijo pra ele. Um beijo pra todo mundo, cara. Todo mundo da família. Falou? Valeu, Chicão. Valeu essa caminhada toda aí, né? Valeu, te amo. Um beijo. Tchau. Depois eu te ligo com calma. Tchau."

Qual a diferença entre Sydney e agora?
A sensação é sempre a mesma, de ser medalhista. São duas Olimpíadas que eu luto, nas duas eu fui medalhista. Tô muito feliz porque batalhei muito nesses anos todos e em nenhum momento eu deixei de acreditar nem tive dúvida da minha capacidade. Passei por momentos difíceis nesse caminho todo, mas sempre, sempre, sempre acreditando até o fim. E aqui foi igual. Teve um momento na luta que tava difícil, que tava duro, mas eu não vacilei. Meu espírito estava forte, minha cabeça tava forte. Sabia o que eu queria. Mesmo depois da derrota. Eu demorei um pouco pra voltar na competição, mas no fim deu tudo certo e tô muito feliz de ter conquistado esse bronze.

Quando você saiu da briga pela medalha de ouro, o que passou pela sua cabeça?

Ah, no momento você fica muito triste. Você vê tudo saindo das suas mãos, escapando das suas mãos. Mas eu levantei a cabeça e procurei todas as respostas em mim. Fui no banheiro, lavei meu rosto, olhei bem no espelho e sabia que tinha que continuar lutando. Mesmo porque eu não podia desperdiçar mais uma chance de estar aqui. Então eu lutei com muita determinação. Falei com o Chicão no intervalo e ele me ajudou bastante a me motivar. Porque tantas pessoas, pelo esporte e por mim, tantas pessoas pararam pra assistir à minha luta. Muitas pessoas passaram a noite acordadas me assistindo. Então eu fiquei muito feliz, com todo mundo dentro do meu coração. Todo mundo mesmo. Sem citar nomes. Todo mundo que tava torcendo por mim, todo mundo que tava lá vibrando comigo, eu coloquei no meu coração aqui e a vitória foi de todos nós.

Você sai com a sensação do dever cumprido?
Eu fiz o meu melhor. A luta com o alemão, ali, tava bem equilibrada. Eu errei mesmo ali na luta, foi uma coisa de instinto, eu entrei... apesar que depois eu achei que foi ippon... mas tudo bem, coisas da luta, tudo pode acontecer na luta. O judô é isso. Tudo pode acontecer. O mais importante tá aqui (olha para a medalha).

O que o seu irmão te falou nesse intervalo?
Ele falou que essa medalha tinha nome. Essa olimpíada tinha um nome. E que não importava a cor da medalha. E falolu: "Pô, você trabalhou tanto, cara! Eu vi todo dia você trabalhando. Todo dia." Foram oito anos, né, de dedicação (a voz fica embargada). Mas valeu a pena, porque... a nossa família tá sempre com a gente, né. E mesmo aqui longe eu vi o rosto de todos. Eu ouvi a voz de todos. (Suspiro) E eles foram comigo na área (de espera) e eles lutaram comigo. E me empurraram hoje.

Você falou de Deus. Qual a importância da religião para você?
Isso daqui é pouco, né? Isso depois vira pó. Mas a maior felicidade é que a gente encontre Deus. Eu assisti a um filme esta semana que me marcou muito. Que eu falei aqui, depois que eu saí. Tinha dois fazendeiros e os dois pediram que caísse... fazia muito tempo que não chovia no campo deles, e os dois oraram pra Deus. Só que só um foi pro campo preparar a terra pra receber a chuva. Então eu encarava essa competição aqui... isso mexeu comigo bastante.

Qual o nome do filme?
"Desafiando Gigantes". Eu vim aqui preparar o campo pra receber a glória. A glória é essa glória aqui. Tudo. Mas Deus me ajudou. Deus deu a vitória porque ele tá sempre comigo. Tá todo o tempo comigo. E sempre vai estar.

Foi mais difícil que em Sydney, porque os adversários já o conheciam?
(Risos) Eu sabia que todo mundo ia me estudar. Eu sabia que ia encontrar dificuldades aqui. Só que eu também me preparei pra isso. Pode ver que nas lutas eu não joguei com os mesmos golpes que eu joguei no Mundial. Foram outros golpes, porque eu preparei tudo novo pra essa competição. Não deu certo, mas eu tô feliz pra caramba, porque quando faltavam duas lutas eu pensei: "Agora pra mim essa é a semifinal e a final". E eu encarei desse jeito.

Fonte: Revista Época