sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Nota de rodapé atravanca tradução de texto de Lutero

Uma nota de rodapé trancou a edição do décimo primeiro volume das Obras Selecionadas de Martinho Lutero. Em determinado período da vida, o reformador sentia muita dor por causa da drenagem que fazia numa das pernas a fim de estancar incisão que sofrera.

Até o momento, tradutores e editor não descobriram o que Lutero tinha nessa perna para informá-lo na nota de rodapé. Sem essa informação, o livro não sai. “É muito trabalho, muita pesquisa”, afirma o editor da Comissão Interluterana de Literatura (Cil), pastor Darci Drehmer.

Por aqui no Brasil, conta o editor, “já esgotamos todos os recursos, ouvindo pesquisadores, médicos, para descobrir o que provocou a incisão na perna de Lutero. Agora, recorremos a fontes na Alemanha para ver se descobrimos o enigma”, revela Darci.

Mas não é só a perna de Lutero que tira o sono da equipe de tradutores das obras de Lutero. Em carta, o reformador anuncia determinada data e acrescenta a informação: “depois de kiliane”. “O que é isso? Deve ser algum feriado da época”, deduz o editor. É outro termo que está na agenda dos tradutores.

Mesmo com todos esses cuidados e minúcias nas notas de rodapé para deixar o leitor melhor informado, ainda assim ocorrem imprecisões. Na Alemanha não existe a espécie de pássaro conhecida por “sabiá”, reclamou um leitor ao ler nota de rodapé no volume 5 das obras de Lutero.

O projeto completo das Obras de Lutero contempla 17 volumes, dois deles acrescentados à proposta original, para abarcar também as cartas de Martinho e as conversas à mesa, que retratam um reformador na relação com os filhos, com a mulher, com os estudantes.

A cada dois anos a CIL, mantida pela Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB) e Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), lança um volume das Obras Selecionadas de Martinho Lutero, vendido, o volume, a 88 reais (cerca de 44 dólares). A tiragem da edição é de 2 mil exemplares.

A produção literária de Lutero abrange prédicas, interpretações bíblicas, escritos teológicos, escritos polêmicos e pastorais. Os volumes 2 e 3 da coleção publica temas controversos e polêmicas do reformador com a Igreja Católica e com os entusiastas, corrente teológica da época.

Os volumes 5 e 6 abordam a ética política e social de Lutero; o volume 7 enfoca assuntos comunitários, da ordenação à liturgia. A partir do volume 8 começam os textos de interpretação bíblica. O volume 10 analisa a Epístola aos Gálatas, segundo anotações do estudante Jorge Rörer ao participar das preleções de Lutero.

Para divulgar o pensamento do reformador, a CIL organizou quatro seminários sobre “A teologia de Martinho Lutero e a missão da Igreja para o século XXI”. Dois deles já ocorreram, no Recife e em Curitiba. O terceiro está agendado para os dias 30 de outubro a 1 de novembro em Brasília, e o quarto acontecerá em São Paulo, no dia 11 de novembro.

(Fonte: ALC)

Africanos cristãos sem bíblias devido ao seu alto preço

Muitos africanos cristãos estão privados de uma bíblia, que pode custar um salário mensal, noticiou quarta-feira a agência católica Ecclesia, citando o arcebispo nigeriano John Olorunfemi Onaiyekan.

"Muitos não dispõem de dinheiro suficiente para possuir uma bíblia. Por isso, estamos a imprimir bíblias a preços mais acessíveis", adiantou o arcebispo, no Sínodo dos Bispos, no Vaticano, lembrando a dificuldade das traduções em países com elevados índices de analfabetismo.

Segundo o prelado, a presença católica no continente africano ronda os 14 por cento.

(Fonte: Visão / Adaptado por O Verbo)

Ator Pedro Cardoso condena em discurso polêmico toda a forma de nudez atualmente na TV e no cinema

Pedro Cardoso fez um discurso exaltado e polêmico no lançamento do longa-metragem Todo Mundo Tem Problemas Sexuais, de Domingos de Oliveira, na noite desta quarta-feira no Festival do Rio. O ator, que também produz o filme, acusou alguns diretores brasileiros de promoverem a pornografia na televisão e no cinema, obrigando a classe artística a participar de tais cenas.

"A pornografia tornou-se agora um modo de atrair o público. Temos visto cenas de nudez ou quase nudez em basicamente toda a programação dos programas de televisão", disparou.

"A constância com que isso aparece tem colocado em exposição a nudez dos atores. É raro um trabalho, seja flme, novela ou programa de humor que não inclua cenas deste tipo."

"A minha tese é de que a nudez impede a comédia e mesmo o próprio ato de representar. Quando estou nu, sou sempre eu a estar nu, nunca o personagem. Ao despir-se do figurino, o ator despe-se também do personagem", afirmou, ressaltando que Todo Mundo tem Problemas Sexuais, apesar do tema, não traz nenhum momento de nudez.

"Eu fiz algumas cenas de nudez muito parcial e me senti sempre muito mal. Esse absurdo causa grande desconforto ao ator e a atriz porque nos obriga a mentir", citou, recebendo aplausos. "A nudez produz uma sensação erótica. Neste filme, os atores estão vestidos para que os personagens possam estar desnudos."

"A pornografia está tão dissimulada em nossa cultura que não a reconhecemos como tal. Hoje qualquer diretor, medíocre ou não, se acha no direito de determinar que uma atriz possa ficar pelada numa cena ou parcialmente despida", disse, ressaltando, indiretamente, que os diretores da TV Globo também apelam para a "pornografia" televisiva.

"É frequente que cineastas de primeiro filme exibam para seus amigos em sessão privê as cenas privadas que conseguiu de uma determinada atriz", acusa. "Quando os atores se recusam a fazer nudez, os diretores ficam bravos e fazem malcriações, como crianças mimadas, porque se consideram no direito a ela".

O protesto de Cardoso abriu espaço para a discussão, especialmente entre os atores. Em tom revoltado, ele pediu que os artistas não se submetam a cenas de nudez.

"Até quando nós atores ficaremos atendendo ao voyeurismo e a disfunção sexual de diretores, roteiristas e produtores?", questiona. "Eu penso num dia que não teremos medo do You Tube ou das sessões nostalgia do Canal Brasil. O dia que não teremos medo que nossos filhos tenham que responder perguntas constrangedoras dos colegas na escola."

"Um diretor não deveria pedir que faça algo que ele não pediria a uma filha sua. Se essa gente quer nudez, que fiquem nus eles mesmos."

"Atores e atrizes podem dizer não às cenas que se sintam desconfortáveis. Não temos uma obrigação de tirar a roupa, que esta não é uma exigência do ofício de ator e sim da indústria pornográfica. E a conclusão de sempre: o programa popular tem que ter calcinha e sutiã, como se a gente brasileira fosse assim medíocre", ressalta.

O discurso levou Cardoso a tocar no assunto da vida pessoal. Namorado da atriz Graziella Moretto, no ar na TV Globo com a novela Três Irmãs, insinuou que ela sempre é contrariada nos bastidores da produção televisiva.

"No ar, na novela das 19h, ou mesmo das 18h, criam-se cenas de estupro, de banho, exibicionismo e adultério. Tudo apenas para proporcionar as cenas de nudez e influenciar o tesão alheio."

"E para que não digam que estou transtornado com esse assunto só porque agora estou namorando com uma atriz: de fato, dói mais a dor que dói em nós mesmos."

"Agora ver a mulher que eu amo tendo que diariamente se defender no trabalho contra a pornografia tornou esse assunto a primeira ordem do meu dia. Se antes era apenas responsabilidade profissional me opor à pornografia, agora é também por amor", finaliza.

Tomada pelos aplausos, Claudia Abreu, que também está no elenco do filme, deu seu depoimento. "Já passei por uma situação como essas recentemente e ele está completamente certo. É exatamente isso que acontece", disse. Vale ressaltar que a atriz aparece completamente nua no filme Os Desafinados, de Walter Lima Jr., em cartaz em alguns cinemas do País.

Retirado de Redação TERRA