quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Kaká compara versículo da Bíblia a sua vida em homenagem no Maracanã


Craque, que jamais imaginou ser o número 1 do mundo, conta as suas lembranças no Monumento do Futebol.

O melhor jogador do mundo em 2007, que teve nesta terça-feira a sua marca registrada na Calçada da Fama do Maracanã, deu o primeiro chute em uma bola aos oito anos, em São Paulo. Antes, quando morou em Brasília, onde nasceu, o futebol não passava pelas suas brincadeiras de criança.

Dos primeiros chutes até chegar às divisões de base do São Paulo, Kaká traçou objetivos simples na carreira, como simples diz ser a maneira como joga futebol - sem dribles ou jogadas de exibição, tendo como o único objetivo chegar ao gol adversário.

- Jamais pensei em chegar a esse nível, ser o número 1 do mundo, não ficava planejando ser um ídolo no futebol, uma pessoa que tem o seu talento reconhecido. Primeiro, queria ser titular no São Paulo, depois chegar à Seleção e aí me transferir para a Europa. Consegui muito mais do que isso, mas sem forçar nada, tudo aconteceu naturalmente.

Um versículo bíblico orienta a trajetória de Kaká na vida e na carreira: “Deus tem muito mais do que nós pedimos ou pensamos”.

Desse jeito, norteado pela sua crença, mas também procurando se aperfeiçoar à custa de muito treinamento, Kaká não só se tornou o maior jogador do mundo como tem hoje na Seleção Brasileira uma importância e peso decisivo reconhecidos quase à unanimidade. Sobre a maneira de jogar, a explicação.

- Sempre tive facilidade no arranque, que é minha característica. Como acho que o futebol é simples, quando pego a bola tento buscar o gol e a melhor maneira de chegar ao objetivo.

A Seleção Brasileira é um capítulo especial na história de paixão que Kaká tem pelo futebol. Na contramão dos que pensam que, por serem famosos e realizados, os jogadores que atuam na Europa vestem a camisa amarela como se fosse uma mera obrigação, Kaká afirma que é muito mais do que uma questão de dinheiro. É de fato um prazer que milhares de garotos cultivam desde que vão pela primeira vez para o campo.

- Não se trata de dinheiro, mas de um sentimento de orgulho. Não somos um exército, no sentido de ser a pátria de chuteiras, mas me sinto orgulhoso de defender o meu país quando entro em campo com a Seleção.

O futebol e a Seleção Brasileira se misturam no sentimento que Kaká diz ser o de todos os jogadores que se reúnem com a camisa amarela.

- Pode perguntar para qualquer um que está aqui, todos vão dizer que pagariam para jogar futebol e estar na Seleção. Eu pagaria para ser jogador de futebol, porque é a minha paixão. Claro que, depois, com o seu talento, você faz dele uma profissão, e se torna bem remunerado. Mas a paixão permanece.

As lembranças do Maracanã em que foi eternizado como craque

Kaká diz que o Maracanã é conhecido no mundo inteiro. Por onde passa, quando se fala do Brasil, as pessoas se referem ao estádio. Do “Monumento do Esporte”, que é como Kaká o definiu, a primeira lembrança que tem é de ter acompanhado ainda criança, pela televisão, os jogos da Seleção Brasileira. Depois, como jogador do São Paulo, enfrentou Botafogo, Fluminense e Flamengo, contra quem marcou um gol.

As recordações mais prazerosas foram mesmo os dois gols que fez na goleada de 5 a 0 sobre o Equador, no dia 17 de outubro do ano passado.

Como tudo o que aconteceu na sua vida, em que as coisas não são previamente planejadas, a homenagem que recebeu no Maracanã o deixou surpreso, mas feliz por ter seu nome inscrito em uma galeria de craques que fizeram história no futebol.

- O Maracanã é um símbolo do futebol, que tem a sua existência ligada à Seleção e ao futebol brasileiro

Fonte: Gospel Mais

ustiça dos EUA arquiva processo contra Deus por não saber endereço de réu

Como não foi possível notificar o Criador, juiz decidiu encerrar processo. Senador alega que Deus é onisciente e deve ser julgado por 'crimes'.


A Justiça de Nebraska, nos Estados Unidos, decidiu arquivar nesta quarta-feira o processo que um senador movia contra Deus. O juiz Marlon Polk, da corte distrital do condado de Douglas, disse que como o senador Ernie Chambers não informou no processo o endereço do réu, a Justiça não teria como notificar Deus.

No processo, Chambers acusa Deus de gerar medo e de ser responsável por milhões de mortes e destruições pelo mundo. Segundo ele, Deus gerou “inundações, furacões horríveis e terríveis tornados”.

Chambers comentou que Deus fez ameaças terroristas contra ele e seus eleitores. Conforme o senador, ele abriu o processo em Douglas porque Deus está em todos as partes.

"Como a corte não tem condições de notificar Deus, é preciso arquivar o processo", afirmou o juiz Marlon Polk em sua decisão.

Apesar de significar inicialmente uma "derrota", o senador encarou positivamente a decisão. "A corte reconheceu, desta forma, a existência de Deus", afirmou. "Desta forma, uma das conseqüências de reconhecer Deus é admitir sua onisciência. E, se Deus sabe tudo, Deus foi automaticamente notificado deste processo", completou.

Chambers tem agora 30 dias para decidir se vai ou não recorrer do arquivamento do processo.


Fonte: G1