segunda-feira, 29 de junho de 2009

Roberto Brum, o jogador “Pastor do Santos”.

Roberto Brum, 30 anos, é um jogador discreto em campo. Chega firme nos adversários, cede poucos espaços, é incansável na marcação. Fora de campo, esse fluminense de São Gonçalo é o oposto, como já pôde ser atestado em sua apresentação no Santos, há cerca de um ano, quando comparou a situação do clube com a de uma águia e virou sucesso no Youtube. Desde então, o volante coleciona declarações engraçadas e cheias de bom humor.

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Biblia Online

Nesta entrevista exclusiva concedida ao Terra, no CT Rei Pelé, Roberto Brum não foi diferente. O volante santista cantou, fez piadas, imitou Romário, contou aventuras com Roger nos tempos dos juniores do Fluminense e relatou histórias engraçadas envolvendo Parreira e sua passagem pelo Coritiba.

Roberto Brum, evangélico fervoroso, chegou acompanhado de dois colegas de religião. Em uma mão, um cd de música gospel. Na outra, um óleo de igreja para ungir as pessoas no culto. Em quase uma hora de entrevista, a palavra Deus foi pronunciada mais de 20 vezes por Brum, chamado de pastor pelos companheiros de clube.

Nesta primeira parte da entrevista, Roberto Brum fala de como vem ajudando na recuperação de Pato Rouco, um morador de rua famoso nos arredores da Vila Belmiro. Pede, também, mais paz para Fábio Costa.

Confira a primeira parte da entrevista com Roberto Brum:

Terra - Você é um cara muito espontâneo. Acha que falta isso no meio do futebol?
Roberto Brum - Não é fácil falar em público. Às vezes, o jogador é espontâneo no dia a dia e, quando chega nos microfones, fica acanhado. Principalmente os mais jovens.
Me lembro que a primeira vez que fui até um programa de televisão, tremia muito. Até porque me pediram nos bastidores para que eu falasse mal do meu treinador na época, que era o Parreira. E ele era tudo pra gente: botou salários em dia, fez pré-temporada na Espanha, conseguiu musculação do bolso dele. Fez tudo. Então eu tremia da cabeça aos pés.

Terra - E como acabou sendo o programa?
Brum - Quando me perguntaram se ele era tudo de ruim, eu neguei. Disse que não, que ele era tudo de bom. Ali já apontava que minhas entrevistas dariam repercussão (risos). O Parreira até depois me deixou recado no celular agradecendo e eu fiquei muito emocionado, tinha só 19 anos.
Você tem que ser espontâneo e sincero, não forçar nada. A pessoa tem que chegar aqui e falar o que ela sente, o que ela acha. Não posso passar uma imagem que não é minha. Às vezes falta isso, sim.

Terra - Mas esse teu jeito tá te trouxe problemas?
Brum - Esse caso mesmo, do Parreira, não deixa de ser. Mas eu tive problemas por falta de sabedoria, quando mais jovem, de não saber falar as coisas na hora certa.

Terra - Teve algum caso que você se lembre?
Brum - Um jogo no Maracanã, entre Fluminense e Coritiba e eu já estava no Coxa, com o Romário do outro lado. Estava 1 a 0 para a gente, botando o Flu na roda, dominando o jogo.
Aí perguntei ao árbitro quando tempo faltava e ele me respondeu que cinco minutos. Aí pensei: “Vou cair no campo, ganhar um minuto. Aí entra um volante com sangue novo e acabou o jogo”. Então caí no chão, fiz aquela cena, rodei pra lá e rodei pra cá (cai na gargalhada). Já estava saindo, atrás do gol, e veio um jornalista de Curitiba, que estava por lá cobrindo o jogo.
Aí ele perguntou: “Brum, então, o que houve?”. Então eu respondi: “Saí pra dar o bicho pro meu companheiro, o jogo já tá no papo”. Mas aí, quando falei isso, só escutei o Maracanã gritando. Olhei para o jogo, e foi na mesma hora, e o baixinho comemorando, com a língua pra fora (Brum imita Romário). Fui pensando: “Pra quê fui falar isso?”. Quando fui chegando no banco de reservas, ele chutou aquela bola sem ângulo e entrou, entre o gol e a trave, 2 a 1 para o Fluminense. Quando cheguei em Curitiba, tomei tanta porrada, mas tanta porrada….(risos)

Terra - Jogador é obrigado a dar entrevistas?
Brum - Nada forçado é legal, mas o torcedor merece saber como o jogador se expressa. Tem torcedor que deixa de comer para comprar ingresso, então eles merecem, mas não pode ser forçado. Eu trabalhei com um jogador que antes cortava cana, o Lima, ex-Coritiba e Atlético-PR. Ele chorava, era sensível. Depois entendemos que isso era por ele ser tímido. Hoje ele está soltinho (risos).

Terra - Você está bem em Santos, né?
Brum - Se for a vontade de Deus, encerro minha carreira aqui. Estou super adaptado na cidade, já tenho casa, sou cidadão santista. Só falta transferir o título de eleitor para votar no Ari Jarrão (massagista do Santos e candidato a vereador). Nem ele votou nele, foram só três votos. Vou ser o cabo eleitoral dele, já tem slogan: “Ari Jarrão, chegou a solução, pro empregado e pro patrão”. É melhor que o do Maluf, o “rouba mas faz” (gargalhada).

Terra - Como é a história do morador de rua que você acolheu?
Brum - É o Pato Rouco, uma figura carimbada na Vila Belmiro. Todo mundo o conhece, já estava mais de 30 anos perambulando no vício e agora também morando na rua. Ele me pedia dinheiro e eu respondia que não ia dar nada para ele usar crack, então ele me xingava. Sempre falei que daria um tratamento, se ele quisesse.
Aí um dia fui andando do treino pra casa e ele foi me seguindo. Então parei e fiz uma oração para Deus transformá-lo. E ele começou a chorar, falando que tinha saudades da mãe. No fim do ano, ele me pediu ajuda.

Terra - E então, o que aconteceu?
Brum - Aí eu e o Fabiano Eller o internamos. Ele gosta de ajudar, tem o coração muito bom. Então fomos na casa do Pato Rouco, no carrão do Eller, que parece um disco voador (risos) e pedimos a autorização da mãe dele. Hoje ele está lá há seis meses: enxerga bem, está com os dentes bonitos, com óculos, está gordo, lê a bíblia. Era fedorento e hoje está cheiroso (risos).

Terra - Você já tentou apaziguar um pouco o Fábio Costa?
Brum - O Fábio é uma pessoa muito especial para mim. Quando o olhei pela primeira vez, fiquei com medo daquela cara de bravo dele. Uma vez tentei trazer ele pra Deus, mas parecia que tinha falado com um armário. Ele nem ligou. Mas ele começou a olhar minha vida e um dia o filho dele pediu para que eu fosse até a casa dele pra falar de Deus. E nós não podemos julgar as pessoas.
Quero que a pessoa que estiver lendo essa matéria no Terra, aponte o dedo para o espelho. Ele vai ver que tem mais quatro apontados para ele. Deus tem mudado o caráter do Fábio e ele está mudando.

Fonte: Terra / Gospel Mais

Música gospel vai parar na Globo na voz de um jogador

A música “Um Verso de Amor” continua embalando os corações… A canção, que faz parte do primeiro CD de Pamela pela MK Music, Um Passo ao Céu, lançado em 2002, ainda hoje aparece entre as mais pedidas em rádios de todos o país,já ganhou versão em espanhol e agora recebeu, digamos, uma ‘roupagem futebolística’. Tudo por conta do jogador Hernanes, volante do São Paulo, que homenageou sua esposa Érica no Dia dos Namorados (12) em plena TV Globo, na matéria exibida no Globo Esporte.

“Não sei nada de música, mas em nome do amor eu vou pagar esse mico”, foi logo avisando o craque dos gramados, eleito o melhor do Brasileirão 2008. E cheio de coragem, o jogador soltou a voz e deu a sua interpretação para a composição de David Fernandes e Dereck. Hernanes é membro da Igreja Paz e Vida, pai do pequeno Ezequiel e aguarda a chegada do segundo filho em agosto.

“Meu pai me ligou eufórico avisando. Fique surpresa e muito feliz! Prova que essa música está marcando um tempo e nunca fica velha. E também é uma grande coincidência, porque meu time de São Paulo é o São Paulo”, comemora a cantora Pamela, que mora no Rio de Janeiro há seis anos.

Fonte: Elnet

domingo, 28 de junho de 2009

Um exemplo de jogador evangélico no Perú


O maior goleador do time Sporting Cristal Club (Perú), Héctor Hurtado, participará da campanha em favor da leitura da biblia que se promoverá em seu país.

O popular jogador é conhecido como “el Vagón” e se destaca porque celebra seus gols sacando sua Biblia no campo de jogo.

Nascido na Colombia, ele decidiu participar, entusiasmado, da Campanha nacional “Leia a Biblia”. “A idea de celebrar assim meus gols nasceu no ano passado aqui no Perú. Eu me reunia todos os sábados para ler a Biblia com uns amigos até que um dia surgiu a idea de que no próximo gol eu comemoraria com a Biblia na mão”, explica Hurtado. “Creio que vale a pena porque assim posso explicar com clareza que minha fé é uma experiencia viva.” “Eu sei que os jovens teem ao seu redor muitas influencias. Influencias na música, na arte, na política, etc. Mas são influencias que muitas vezes nos decepcionam.

Acredito que os jovens estão cansados de tanta coisa e queremos mais que isso”, e continua “Os jovens buscam algo diferente e para mim esse algo diferente é uma fé viva em um Deus não falha”. Hurtado insiste “A Biblia é um instrumento básico em minha vida”, e leva com ele pra onde quer que ele vá ele termina dizendo“Olha, é como minha carteira, eu sem ela no saio para nenhum lado”.

A Fifa havia proibido mensagens religiosas embaixo das camisetas dos jogadores, e por enquanto Hurtado está usando esta tática, que até agora não foi censurada.

sábado, 20 de junho de 2009

Tatuagem: forma de expressão ou vaidade?


"Hoje eu não faço mais tatuagem e não aconselho ninguém a fazer". Poucas pessoas associariam essa afirmação a Rodolfo Abrantes. Com os braços quase cobertos por tatuagens, muitas do período em que atuou como vocalista da banda secular Raimundos, e a imagem de um candelabro tatuada no pescoço, feita após sua conversão, o músico conta que tatuar-se era algo habitual: "Quando eu me converti, eu continuei fazendo tatuagem porque já fazia muito e eu confesso que não sentia muita paz nisso. Durante meu processo de conversão, senti Deus falar comigo que eu não precisava mais daquilo. Quando decidi parar, senti muita paz. Desde então, nunca mais fiz tatuagem alguma. Quando eu continuei me tatuando depois de convertido, só transferi uma coisa que eu já era para dentro da minha nova vida. E realmente eu não precisava mais disso". Em entrevista ao Portal Guia-me, Rodolfo expressou o que pensa hoje sobre tatuagem: "Na real, eu acho que tatuagem é uma grande 'duma vaidade". "As pessoas dizem: 'Eu vou para Jesus, mas eu vou levar tudo o que eu gosto'. Mas têm certas coisas que talvez Deus queira simplesmente tirar do teu coração. Eu interpreto da seguinte forma: quando eu senti que era Deus falando comigo, que era para eu parar de fazer tatuagem, creio que era uma ordem simples, que se eu conseguisse obedecer, eu conseguiria obedecer a ordens maiores também. Eu cumpri e senti uma paz tremenda. Toda vez que eu obedecer a Deus, vou sentir Paz", explica o cantor.

Vista como forma de expressão, símbolo de rebeldia e juventude, a tatuagem possui diferentes estilos, que vão do tradicional ao maori, estilizado, psicodélico, religioso, tribal, entre outros. Seus temas variam tanto quanto as personalidades das pessoas que as fazem. As imagens escolhidas podem ser definidas pelo contexto histórico, influências musicais, modismos, ideologias e crenças. Crenças que chegaram à igreja e dividem opiniões. Aceita por algumas denominações e pastores, condenada por igrejas e lideranças, a "tatoo" divide opiniões até mesmo em interpretações de trechos bíblicos, como o de Levítico 19:28 - "Não fareis lacerações na vossa carne pelos mortos; nem no vosso corpo imprimireis qualquer marca. Eu sou o Senhor".

Para o professor de teologia Carlos Vailatti, o versículo faz parte de um contexto maior, um "código de santidade": princípios para demonstrar ao povo de Israel elementos indispensáveis ao relacionamento com Deus. Na opinião de Valilatti, é importante destacar também a palavra 'marca': "Esta palavra é derivada do hebraico qa´aqa´, cujos significados básicos são: 'incisão, tatuagem'. Já na Septuaginta (a tradução grega do Antigo Testamento hebraico - datada do III século a.C.), a palavra 'marca' é a tradução do grego stikta, palavra esta derivada do verbo stizo, 'fazer um sinal com um instrumento agudo ou candente; pintar, tatuar; fazer sinais com golpes' [...] Deus não quer que Israel pratique esses hábitos pagãos e se comporte como as demais nações que vivem ao seu redor. Deus quer que Israel seja uma nação santa, isto é, uma nação separada para servi-lo e que tenha um estilo de vida diferente das demais". Para o teólogo, o trecho inicial do versículo de Levítico 19:28, relaciona-se a 1 Reis 18:28: "No confronto entre Elias e os adoradores de Baal no monte Carmelo, onde vemos que estes últimos 'se retalhavam com facas e com lancetas, conforme o seu costume, até derramarem sangue sobre si".

No entanto, Sandro Baggio, líder do Projeto 242, igreja que há mais de dez anos trabalha com pessoas da cultura alternativa e dedica-se a missões urbanas, entende que o trecho de Levítico não pode ser aplicado à tatuagem. "Trata-se de uma lei específica direcionada a um povo em particular. Aqueles que querem aplicar essa lei para o contexto de hoje (usando este versículo para proibir as pessoas de fazer tatuagem) precisam estar dispostos a aplicar também os versículos anteriores que proíbem vestir roupas de tecidos diferentes, plantar sementes de diferentes espécies no mesmo jardim e aparar a pontas do cabelo e da barba. As pessoas não estão fazendo tatuagem por causa de qualquer ritual relacionado a mortos, mas como expressão estética", explica o líder.

Baggio fez a primeira tatuagem em 1988, logo após sua formação no seminário teológico. Para ele, tatuar-se é uma forma de expressão corporal e cultural: "Antes era particular de alguns povos e culturas, mas como o mundo se tornou uma aldeia global, a tatuagem (assim como outras expressões culturais) ganhou espaço nos mais diversos meios e contextos. A única diferença entre fazer uma tatuagem e uma pintura ou mesmo corte de cabelo é que a tatuagem tem uma característica mais permanente e não pode ser removida facilmente. Portanto, exige-se que se pense muito mais antes de se fazer uma tatuagem do que, por exemplo, antes de tingir os cabelos ou fazer dreads neles".

Símbolo de rebeldia?

Tatoo, do taitiano tatau, significa marcar. O nome foi dado por James Cook, o capitão inglês que descobriu o surfe e, em 1769, ficou admirado ao chegar ao Taiti e ver a população local coberta de desenhos em vez de roupas. A população da região era conhecida como maohis, ou maoris na Nova Zelândia, povo que tatuava-se em rituais ligados à religião. As imagens significavam status e poder, marcavam a passagem da infância para a maioridade, ou contavam as histórias da família e da tribo. Mas, os primeiros registros de pigmentação com tintas sobre a pele remetem há pelo menos 5 mil anos. No Egito, também foram encontradas múmias tatuadas, que datam do período entre 4000 e 2000 a.C.

Na América,,tatuar-se também era prática das civilizações maia e asteca. No Japão feudal, criminosos eram marcados para que fossem identificados como maus elementos. Tempos depois, em meio a um forte clima de opressão dos governantes, organizações ostentavam tatuagens como símbolo de transgressão ao poder vigente. Assim, surgiu o famoso dragão da Yakusa, a máfia japonesa, imagem comum de muitas tatuagens no mundo.

Com todo esse contexto histórico, a tatuagem é vista, ainda hoje, como símbolo de rebeldia. O pastor Eduardo Silva, conhecido como pastor Edu, conviveu com muitos "irmãos tatuados" até gravar uma mensagem em seu braço e conta que recebeu com isso muitas críticas. Membro da igreja Renascer em Cristo, foi o primeiro a escrever em seu corpo, a frase "Renascer até morrer". "A minha motivação veio num momento em que a Igreja sofreu um forte ataque. A intenção dos que nos atacavam era na verdade o fechamento e extinção da Igreja Renascer, como se as portas do Inferno pudessem prevalecer contra a Igreja de Cristo. Muitas pessoas comentavam que a Igreja não sobreviveria a esse momento, isso foi em fevereiro de 2007. Sou pastor desde janeiro de 1993, mas atuo no ministério desde jovem", conta o Pr. Edu, que revela que a atitude trouxe grande repercussão: "Algumas positivas, outras violentamente negativas. O que me causa estranheza, é que a tatuagem afeta tão somente a minha vida. No que diz respeito à minha comunhão com Deus ou santidade, não aumenta ou diminui. Mas, muitos foram contumazes em dizer que essa atitude era fruto de uma alienação, que éramos como gado marcado etc. Apenas entendo que não devemos julgar para não ser julgados!". Ele explica a iniciativa narrando a passagem bíblica de II Samuel 15:21: "Em meio à guerra, Davi contava com homens valentes como Itaí (II Sm 15,21), que estavam em aliança, para vida ou para a morte. Não adianta estar em aliança apenas quando tudo vai bem. Baseado nesse princípio é que muitos de nós escolhemos essa frase. A igreja, corpo de Cristo, estava sendo atacada, o rebanho precisava ser protegido e pastoreado e algumas pessoas e instituições se esqueceram desse conceito de corpo! Como pastor, senti o desejo de deixar clara a minha posição em favor do rebanho".

Para o reverendo Baggio, pessoas que consideram tatuagens símbolos de rebeldia estão "estacionadas no tempo". " Hoje em dia, tatuagem não tem absolutamente nada a ver com rebeldia, mas sim com estética. Sem dúvida que há preconceitos por parte de algumas pessoas (religiosas ou não), mas qualquer coisa pode ser passível de preconceito, principalmente expressões culturais. Preconceito é fazer um juízo superficial a partir de idéias ou conceitos pré-estabelecidos. O profeta Samuel fez um 'pré-conceito' ao procurar ungir o futuro rei de Israel. Cristãos que seguem a Bíblia não deveriam fazer 'pré-conceitos' com relação à aparência das pessoas, mas infelizmente não é isso o que acontece. Pessoas sofrem preconceitos por se vestirem de certa maneira, por causa do seu penteado (ou por não ter nenhum penteado) de cabelo, pelo modo como falam (se sua linguagem não for cheia de chichês evangeliquês, não é espiritual) etc. Eu já sofri preconceitos por todas as coisas, mas geralmente depois que as pessoas me conhecem, elas percebem que tais coisas são superficiais e acabam deixando o preconceito de lado", narra o reverendo. A segunda tatuagem de Baggio veio para cobrir a primeira. "Aquela velha tatuagem era bem "old school" e no ano passado decidi cobri-la com um novo desenho. A velha tatuagem foi feita com um desenho de uma pomba e uma cruz e eu estava pensando do texto bíblico que diz que Cristo estabeleceu a paz por meio da cruz. A nova tatuagem é um desenho celta do ganso selvagem, o símbolo celta do Espírito Santo. O que esse desenho expressa para mim é a afirmação de que fui selado pelo Espírito e meu desejo profundo de viver a grande aventura da vida guiada por Ele", expõe o líder do Projeto 242.

Mas, para o professor Carlos Vailatti, a tatuagem pode ser compreendia como elemento de rebelião: "Ela pode representar a aderência aos movimentos da contra-cultura, como, por exemplo, o movimento punk da década de 80, o qual estava associado com formas de protesto social e anarquismo. Além disso, ela também pode ser vista como um símbolo anárquico dentro da própria igreja, de acordo com postura que certas denominações adotam com respeito a ela".

Fazer-se igual para ganhar os diferentes?
Líder do Projeto 242, que tem como alvo missionário evangelizar pessoas marginalizadas socialmente, como: mendigos, prostitutas e dependentes químicos, Sérgio Baggio não compreende a tatuagem ou outros visuais como agentes de evangelização. "Isso depende muito mais do testemunho de vida e caráter, no poder do Espírito Santo, do que na aparência", aponta.

"Creio ainda que existem tatuagens que são puramente estéticas e muitos irmãos tatuados, são instrumentos para alcançar essas tribos ou grupos alternativos. Muitas pessoas que me perguntavam a respeito da tatuagem acabaram ouvindo a respeito da fé em Jesus e da obra que ele realizou em minha vida. Mas não quero usar esse argumento. Creio que devemos ter acima de tudo respeito e amor. Só pra constar assim que possível vou fazer outra. Tatuados ou não, cabeludos ou não, com maquiagem ou sem, com brinco, com piercing, pentecostal ou tradicional, o que conta mesmo é sermos novas criaturas. No mais, vivamos em paz uns com os outros (I Ts 5,13)", expressa o pastor da igreja Renascer em Cristo, Edu.

Para o cantor Rodolfo Arantes, o fato de ter tatuagens só o aproxima de outras pessoas tatuadas ou grupos alternativos, à medida que elas o enxergam com uma pessoa mais parecida com Cristo."Cara, se tem alguma coisa em mim que possa ter atraído alguém, é mais pelas as pessoas que estão fora da igreja e estão vendo: 'Pô, aquele cara todo tatuado tá pregando. Aquele cara todo tatuado tá fazendo a obra de Deus, aquele cara todo tatuado está adorando Jesus com a guitarra na mão. Quer dizer que eu também posso?'. Eu creio que numa hora dessas, se tem algo que eu possa aproveitar, é mais por poder mostrar que Jesus Cristo renova todas as coisas e que não interessa quem você é, o que você fez, não interessa as marcas que você carrega. Se você entregar sua vida para Deus, ele vai te usar [...] O link que a gente tem que ter com essas pessoas perdidas, com as pessoas que a gente quer alcançar, é o link do amor. Amar as pessoas independentemente das diferenças delas. Às vezes nos afastamos das pessoas que são diferentes, que estão afundadas em trevas, como se a gente tivesse que manter distância, como se fosse contagioso e não é, a gente é que é contagioso, é o nosso amor que vai mostrar se a gente é de Jesus ou não, eu acho que é muito mais por aí", explica Rodolfo. Para ele, quem busca Jesus está procurando novidade de vida: "Em tudo que eu já li a respeito de Jesus na Bíblia, eu nunca ouvi dizer que ele precisou se parecer com as prostitutas para falar do amor de Deus para elas. Eu nunca o vi tendo que se parecer com o endemoninhado gadareno para falar de Jesus para ele. Tudo o que ele fazia é ser luz nas trevas, é isso o que a gente precisa. Quem faz a diferença na vida de uma pessoa é a Palavra de Deus e não qualquer artifício. Isso é uma estratégia humana muito da 'mixuruca' perto do que é o poder de Deus".

Da mesma forma, o teólogo Vailatti entende que Jesus também interagiu com grupos alternativos e marginalizados de sua época, mas comportou-se de forma diferente. "Acredito que a tatuagem pode sim auxiliar na evangelização de tais grupos, tomando como hipótese que aquele que os evangeliza também está tatuado. Isso cria uma identificação entre ambos. Porém, uma vez que o exemplo a ser seguido pelos cristãos é Cristo (cf. 1 Jo 2.6), temos que ter em mente que o que havia em Jesus que atraía as pessoas era justamente o fato dele ser "diferente", e não "igual" aos demais. Dito de outra forma, se Jesus vivesse em nossos dias ele certamente não precisaria se tatuar para evangelizar pessoas tatuadas, pelo mesmo motivo pelo qual também não precisou se tornar mendigo para proclamar o evangelho a estas pessoas. Aliás, Jesus também interagiu com os "grupos alternativos" de sua época, tais como "as prostitutas, os leprosos, os mendigos e os coletores de impostos", dentre outros, os quais, assim como os grupos alternativos de hoje, também eram marginalizados pela sociedade. Todavia, o que atraía as pessoas em Jesus, entre tantas outras coisas, era o seu amor incondicional por elas, o seu respeito pelos excluídos da sociedade e a sua falta de preconceitos para com todos. Jesus conquistava pessoas de todas as camadas sociais não porque se adaptasse a cada uma delas, mas sim porque ele continuava a ser ele mesmo dentro do pluralismo religioso, cultural e social de sua época. Acredito que o nosso maior desafio nos dias de hoje seja evangelizar tais "grupos alternativos" (seja lá quais forem) sem, contudo, perder ou anular a nossa própria identidade".

Fonte : Guia-me

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Um dos fundadores do Atletas de Cristo realiza trabalho em time catarinense

Fama, dinheiro e assédio feminino fazem parte da vida de um jogador de futebol. Mas as lesões, a pressão pelos resultados e a solidão também estão na rotina de muitos atletas. É é nesta segunda opção, no lado sem glamour do futebol, que age Johnny Monteiro, um dos fundadores dos Atletas de Cristo, e que trabalha nos bastidores do Avaí.

Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Biblia Online

Johnny é uma espécie de consultor espiritual dos jogadores. Passa os ensinamentos da Bíblia por meio de reuniões e encontros com os atletas, inclusive para os garotos das categorias de base. Também sugere músicas e textos motivacionais.

– Ele é um amigo meu e já conhecia o William, o Caio, a maioria dos jogadores do Avaí – explicou o técnico Silas. – Ele é um apoio, um cara para fazer um trabalho de psicologia dentro do futebol. Ele conhece a linguagem do jogador, tem muita facilidade para falar com os atletas.

Johnny não tem uma ligação oficial com o Avaí. Mesmo porque quer trabalhar com outros clubes do Sul do país e com atletas do vôlei e basquete. Na terça-feira, por exemplo, deu uma palestra motivacional para os jogadores do Flamengo, que venceram o Joinville, no basquete.

A ligação de Johnny com Silas começou no início da década de 1980, quando foi convidado pelo técnico Cilinho para trabalhar com os jogadores do São Paulo. Mais tarde, quando estava na Argentina, acompanhou o atual técnico azurra.

– O presidente do San Lorenzo me disse: “Qual o camisa 10 você tem?”. Falei do Silas, que então foi para a Argentina. No primeiro jogo, o Silas fez um gol no Boca Juniors. Ele pegou a bola, foi até o meio e se ajoelhou. Começa aí os Atletas de Cristo na Argentina.

O San Lourenzo seria campeão argentino, depois de 20 anos, com Silas sendo um dos jogadores mais importantes do time.

Johnny trabalhou ainda com a Seleção Brasileira sub-20, quando a equipe era comandada por René Simões, hoje no Coritiba. Também participou de duas Olimpíadas, sempre como um consultor espiritual. O volante César Sampaio, que já jogou pela Seleção Brasileira, costuma citar a importância de Johnny na sua vida profissional.

– Eu vejo nos atletas, diferente da torcida, que cobra muito, o seu interior. Muitas vezes o jogador está deprimido e com problemas na família. Trabalho com este lado emocional, tentando levar a palavra de Deus – contou Johnny.

Encontro reúne atletas e membros da comunidade

Na segunda-feira, dia 18, Johnny levou a reportagem do Diário Catarinense para acompanhar uma reunião na casa de Décio Antônio, ex-atacante azurra, e que mora nas proximidades da Ressacada. Estavam lá os jogadores Evando e Wendel, o auxiliar-técnico Paulo Antônio, irmão de Silas, atletas da base azurra, além de outras pessoas da comunidade. Este encontro acontece desde 1993.

Na garagem da casa, os participantes da reunião oraram e cantaram. Também ouviram um depoimento de Evando, que falou dos momentos difíceis da carreira e das lesões e como superou tudo. Paulo Antônio, depois de ler uma passagem da Bíblia, falou, principalmente, aos garotos da base.

– No futebol há mídia, dinheiro, fama. Mas também vai ter luta. Vocês estão preparados para enfrentar o banco de reservas por quatro ou cinco anos, as lesões? No futebol, um precisa do outro. Vocês estão preparados para morrer por seus companheiros em campo? – perguntou.

Na visão do auxiliar-técnico, quando o Avaí perdia por 1 a 0 para a Chapecoense e precisava virar a partida para ir à semifinal, os jogadores não deixaram de acreditar na vitória e em Deus. Ao final da palestra de Paulo Antônio, Johnny falou.

– Agora baixem a cabeça e falem com Deus.