segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

As "árveres" somos "nozes"

Não gosto de publicar assuntos irrelevantes aqui no BLOG, mas esse sou obrigado a compartilhar.
Eu me espanto e também fico admirado com a perseverança de algém que está tentando anunciar a palavra de Deus, mas nesse caso não há como não ser também comico (ou será cômico - ainda não intendi a nova regra de ortografia).

Lembra aquele cara do vídeo "O Jardineiro é Jesus, e as árveres somos nozes" ?
Pois bem, o cara é cristão. História bonita, veio do nordeste foi servente, pedreiro e hoje empresário dono de uma construtora. Certo dia resolveu gravar um CD, mas como tinha muitos problemas na dicção não deu certo, emtão resolveu gravar uma oração em um CD, e esta tentativa de gravar, resultou no badalado vídeo "O Jardineiro é Jesus".

Ele ficou meio chateado por ter virado piada na internet, ma isso só no inicio, o figura que atende pelo nome de José Maria Queiroz aproveitou o sucesso do vídeo e lançou mais alguns videos, no intuito de proclamar a palavra de Deus. Simplesmente show. O Zé maria diz que não quer ser um novo Tiririca, mas sim proclamar a palavra de Deus, para mim ele acaba de inventar um novo estilo, o Humor Gospel ou seria Brega Gospel, um som edificante e hilariante.
De qualquer forma eu acho válida a aportunidade, e tiro o chapéu pro "Zé Maria" que utilizou uma situação de "fracasso" pra chegar ao seu objetivo.

Palmas pro Zé e se você quer saber mais sobre esse mais novo Levita, acesse o site oficial www.ojardineiroejesus.com.br!

Teólogo pede renúncia do papa após reabilitação de bispo que negou Holocausto

O teólogo heterodoxo suíço Hans Küng pediu a renúncia do papa Bento 16 após o escândalo gerado pela reabilitação à Igreja Católica do bispo Richard Williamson, que nega o Holocausto e recentemente teve sua excomunhão suspensa.

Para Küng, a reabilitação de Williamson é apenas um equívoco a mais na série de erros com os quais Bento 16 vem pondo novos obstáculos no diálogo que as Igrejas cristãs travam entrem si e com outras religiões.

"Primeiro, ele questionou se os protestantes formam uma Igreja. Depois, em seu infeliz discurso de Regensburg, chamou os muçulmanos de desumanos. E agora ofende os judeus permitindo o retorno à Igreja de um negador do Holocausto", disse Küng em declarações ao jornal "Frankfurter Rundschau".

"É hora de substituí-lo", acrescentou Küng, que foi companheiro do papa quando ambos eram professores de teologia católica na Universidade de Tübingen.

O Vaticano proibiu Küng de ensinar a teologia católica em 1980, depois que ele questionou o dogma da infalibilidade papal.

Desde então, teólogo heterodoxo suíço, que permaneceu dentro da Igreja Católica, mas sem poder atuar como padre, se dedica ao diálogo entre as religiões.

Já Williamson e outros três bispos seguidores do cismático ultraconservador Marcel Lefebvre foram reabilitados pelo papa há uma semana.

Fonte: BOL