sexta-feira, 17 de abril de 2009

Léo diz que levou ensinamentos de livro evangélico para dentro de campo


Léo não desgrudou de “Aliviando a bagagem”, autoajuda de Max Lugado, nos três dias que passou em Santiago para o jogo do Grêmio contra o Universidad de Chile. O zagueiro comentou que o livro fala sobre a necessidade de as pessoas deixarem de lado alguns problemas para que possam seguir adiante em seus objetivos. E foi justamente o que ele fez no gramado do Estádio Nacional. Em um primeiro tempo de dificuldades, o gremista encontrou a redenção ao fazer o primeiro gol da vitória de 2 a 0 sobre La U.

- Foi como diz o livro. Tive que superar um momento de pressão, de problemas, para poder colaborar. As coisas não estavam fáceis, mas felizmente consegui fazer o gol - disse o zagueiro.

O defensor cometeu falhas no primeiro tempo (em uma delas, a bola parou na trave de Victor) e correu o risco de ser expulso ao fazer repetidas faltas. Ele levou o primeiro cartão amarelo com um minuto de jogo. Na etapa final, Léo teve desempenho mais estável até ser substituído por William Thiego. Na bagagem, junto com o livro, o jogador carrega a classificação garantida às oitavas-de-final da Libertadores.

- Sabíamos que teríamos dificuldades, mas conseguimos a vitória com muito esforço. Estamos classificados, que é o que mais interessa - resumiu Léo.

O Grêmio chega à noite a Porto Alegre e começa, já nesta sexta-feira, a preparação para o jogo contra o Boyacá Chicó, dentro de duas semanas, no Olímpico, na última rodada da fase de grupos da Libertadores.

Fonte: Globo Esporte

O fim da América cristã ?

A reportagem de capa da edição de 4 de abril da revista americana Newsweek traz um título que, ao menos, chama a atenção de qualquer líder eclesiástico: “O fim da América cristã”.

A partir de uma pesquisa da “American Religious Identification Survey”, a revista afirma que entre 1990 e os dias de hoje o número de americanos que declaram não ter religião alguma quase dobrou - indo de 8% para 15%.

Além disso, a sondagem diz que o número de americanos que se identificam como cristãos - considerando suas inúmeras variações - teve uma queda de 10 pontos percentuais no mesmo período, passando de 86% para 76% da população.

Estes são dados que impressionam, principalmente quando se considera que os mesmos são provenientes dos Estados Unidos, vistos por muito tempo como um verdadeiro celeiro de pastores e missionários.

Fonte: Cristianismo Hoje