quinta-feira, 30 de abril de 2009

Alerta Nacional contra aprovação do Projeto de Lei PLC 122/06 no feriado

Mas uma vez (muita coincidência !!!!) na véspera de um feriado nacional (dia 30/04/2009) o Projeto de Lei nº 122/2006 é colocado na pauta de votação da Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal pela relatora Senadora Fátima Cleide – PT, com relatório de 15 laudas pela aprovação do projeto.

Parece que nada mudou em Brasília, em particular no Senado, pois a relatora tenta usar o mesmo “modo operandis” de tentar votar o PLC 122/06 no “grito silencioso” e na “raça oculta”, sem grande publicidade, quando muitos parlamentares já devem estar deixando a capital federal com destino aos seus Estados pelo motivo do feriado.

O Parecer da Senadora Fátima Cleide, pela aprovação do PLC sem emendas na forma apresentada, não adentra as questões já levantadas por alguns juristas no tocante as graves inconstitucionalidades apontadas.

A Relatora também traz argumentos frágeis para o suporte de sua conclusão dados estatísticos, não científico, sobre violência e assassinato contra homossexuais na ordem de 2.043 homicídios nos últimos 20 anos, quando na verdade tais dados não espelham uma realidade como bem mostrou o escritor Reinaldo Azevedo ao impugnar essas ilações estáticas dos ativistas homossexuais.

Outro ponto que chama a atenção na fundamentação do relatório é na afirmação equivoca de que a orientação sexual é inerente a existência humana, arvorando-se no princípio universal e constitucional da “dignidade humana”, bem como, princípio da liberdade e igualdade, ensejando a regularização da convivência.

Não se pode perder de foco que o projeto criminaliza o delito de opinião e atenta com garantias constitucionais.

Fonte: Zenóbio Fonseca

Kaká sai em defesa dos donos da Renascer: ''Eu não os abandono''

Amaury Jr. foi a Milão entrevistar Kaká e o jogador abriu seu coração. Entre outras coisas, o craque fez algumas revelações sobre sua relação com os bispos Sônia e Estevam, donos da Igreja Renascer, que foram presos em Miami. “Nasci num lar evangélico, meus pais são evangélicos e eu vivo na Igreja Renascer, desde os meus 12 anos. Tenho um relacionamento muito próximo com eles. Se algum ente querido seu fosse acusado de alguma coisa, você o abandonaria? Então, eu não os abandono porque tenho uma história com eles. Quanto à parte jurídica desta questão, quem vai julgar é a Justiça. Independente disso, são pessoas queridas minhas e eu não os abandono”.

O bate-papo vai ao ar no programa “Amaury Jr. show” deste sábado, pela Rede TV!, a partir das 22h.

Fonte: Extra